4-logo-site-topo
titulo-institucional

Preocupação com qualidade, pluralidade e troca de conhecimento, talento e experiência. É com esses objetivos que o Festival de Dança de Joinville se consolidou ao longo de mais de três décadas, tornando-se destino tradicional dos amantes da dança. Participantes de todo o país e até mesmo do exterior viajam à Joinville para concorrer na Mostra Competitiva, se apresentar no Meia Ponta ou nos Palcos Abertos que se espalham pela cidade. Além disso, há um leque de opções para aprimoramento profissional por meio de didáticas inclusivas, com o oferecimento e realização de cursos, oficinas, workshops, palestras, debates e inúmeras ações voltadas aos bailarinos e coreógrafos.

 

Em cima do palco, bailarinos brilham, seja na Noite de Abertura, que traz montagens completas de balés consagrados, peças de destaque de gêneros diversos de dança ou criações contemporâneas que abrangem o universo da dança e das artes, seja nas Mostras Competitivas e na Estímulo Mostra de Dança. A preocupação de trazer à Joinville o que há de melhor, move a Curadoria Artística e a organização do Festival.

 

Mantido com o apoio de patrocinadores e promovido pelo Instituto Festival de Dança de Joinville, o evento reúne mais de sete mil participantes diretos e atrai público superior a 230 mil pessoas durante os doze dias de Festival. Os números expressivos renderam a citação de Maior Festival de Dança do Mundo no Guinness Book, título que é de Joinville desde 2005.

 

Visão
Valorizar a apreciação, a criação, a educação e a prática da dança e estimular as novas linguagens.

 

Missão
Promover a dança como expressão artística e contribuir para a difusão cultural e o desenvolvimento regional.

Mais de 40 profissionais entre artistas, staff e técnicos do Balé Teatro Guaíra estão trabalhando na preparação para a Noite de Abertura do 39º Festival de Dança de Joinville. A terceira companhia de dança mais antiga do Brasil dará a largada no dia 19 de julho, às 20h, nas apresentações no palco do Centreventos Cau Hansen. A coreografia escolhida foi o clássico do ballet “O Lago dos Cisnes”.

“É uma grande responsabilidade e, ao mesmo tempo, motivo de muito orgulho, pois o evento tem uma dimensão e importância que é extraordinária. É uma oportunidade incrível de troca entre artistas da dança do país todo, e de outros países. E não é apenas o tamanho, mas qualidade do evento, da organização, que torna o festival tão importante. Estamos muito felizes com a possibilidade de mostrar o ‘Lago’ na abertura”, avalia Luiz Fernando Bongiovanni, Diretor do Balé Teatro Guaíra (BTG).

Conforme Luis Fernando, o trabalho fecha uma trilogia de amor trágico que o diretor desejava fazer há alguns anos no BTG, juntamente com “Romeu e Julieta” e “Carmen”. “É um trabalho impactante visualmente, envolvente e comovente. O trabalho se baseia na história clássica, conhecida de todos que trabalham com dança, mas com uma roupagem contemporânea, atual”, pondera.

“Nossa perspectiva é mais sobre o processo de construção de independência e autonomia do que o da busca da perfeição. Recontamos a história a partir de um sujeito, o príncipe, que busca se desvencilhar de uma mãe controladora. É o momento em que um jovem começa a fazer suas próprias escolhas, mesmo que sejam diferentes dos caminhos idealizados por seus pais. E o fio condutor desse processo todo é o amor”, acrescenta.

Os bailarinos nascidos de 2010 a 2012 têm uma competição exclusiva no Festival. As apresentações da competição infantil são no Teatro Juarez Machado, contemplando os oito gêneros. Os primeiros lugares da competição Festival Meia Ponta se apresentam novamente na Tarde dos Campeões, quando são entregues os prêmios de Melhor Bailarina, Melhor Bailarino e Melhor Grupo.

Em 2021, 2.510 coreografias foram inscritas no Festival de Dança de Joinville, 250 foram aprovadas para compor a Mostra Competitiva e 65 para o Festival Meia Ponta, além dos primeiros lugares de 2019. O processo de seleção conta com etapa única, na qual especialistas em cada um dos oito gêneros do evento avaliam os trabalhos recebidos e definem quais sobem aos palcos oficiais do Festival de Emoções.

 

Durante o Festival, as coreografias aprovadas para a Mostra Competitiva e Festival Meia Ponta são julgadas por uma banca de jurados especialistas. Os campeões recebem troféu e garantem vaga para o Festival no ano seguinte.

A Feira da Sapatilha reúne os melhores artigos para os mais variados gêneros de dança. O Expocentro Edmundo Doubrawa recebe tendências em moda para o segmento, figurinos, equipamentos, artesanato e tecnologia para o setor.

O Festival de Dança de Joinville dedica atenção cada vez maior à formação e aprimoramento técnico de bailarinos, estudantes e profissionais ligados à dança, por meio de cursos com aulas teóricas e práticas. Neste ano, são mais de 2.400 vagas disponíveis em 110 cursos e oficinas com especialistas reconhecidos em suas áreas no Brasil e exterior. Além disso, os professores contam ainda com assessoria pedagógica.

logo

Trabalhar para pensar em novidades é um dos objetivos do Festival de Dança edição após edição. E neste ano, o + DANÇA chega para oferecer um leque variado de opções para participantes inscritos e comunidade, tendo como foco dar oportunidade de acesso a inúmeras atividades, de segmentos diversos, mas que se interligam e formam a cadeia produtiva da dança.

Instalados em cinco diferentes pontos da cidade, os Palcos Abertos recebem grupos de todos os gêneros e levam a dança para toda a comunidade joinvilense e visitantes, em sessões diárias gratuitas. Além disso, a já tradicional visita aos hospitais de Joinville leva entretenimento aos pacientes e desempenha uma importante função social do evento.

270
Mil Espectadores
9397
Inscritos
3080
Vagas em Cursos
1462
Coreografias
540
Horas de Espetáculos
480
Grupos Participantes
© 2019 Festival de Dança de Joinville. Todos os direitos reservados.